As previsões do Professor Jurandir Dindó sobre a Apple

Há pessoas que conseguem ver o futuro nas estrelas, no lançamento dos búzios ou até nas borras de café. O Professor Jurandir Dindó consegue ver os dias de amanhã nos dispositivos electrónicos.

O novo iPad da Apple chegou a Portugal no dia 23 de Março. Decidi ir buscar a minha roupa de bruxo e a minha bola de cristal para saber o que o novo dispositivo da marca da mação pode revelar, não só sobre a empresa e seus produtos mas também sobre a concorrência. O ecrã Retina Display promete ser o maior dos feitiços para os utilizadores e ao mesmo tempo a maior das bruxarias para os concorrentes.

Ao incluir o seu ecrã super místico no iPad, a Apple subiu a fasquia da qualidade exigida na tela de um tablet. Resoluções de 1280×720 pixéis já não vão ser suficientes e muito menos aceitáveis em dispositivos concorrentes com os mesmos preços de mercado. Junta-se a esta poção de sucesso mais uma erva doce que aumenta o poder da terceira geração do tablet da empresa de Cupertino: o processador com quatro núcleos de unidade de processamento gráfico. Assim o iPad diz-me que Samsung, Motorola, Acer, Asus, Lenovo e companhia vão ter que aumentar os requisitos dos seus dispositivosmóveis se quiserem combater com alguma hipótese esta espécie de magia negra que a Apple coloca nos seus aparelhos. O ano está perdido para qualquer uma destas empresas. Mas 2013 vai ser o ano dos tablets Full HD e com GPU’sdignas de consolas hardcore.

O Retina Display chega passados dois anos após o iPhone 4 ter recebido esse tipo de ecrã. O  Professor Jurandir Dindó vê no RD do iPad a confirmação de que a Apple não vai lançar nenhuma televisão no ano de 2012. E muito dificilmente no ano de 2013. Mas também é a confirmação de que a Apple vai mesmo entrar no mercado das TV’s. A aplicação do Retina Display num painel de 9,6 polegadas mostra que a empresa norte americana tem evoluído na construção e desenvolvimento de melhores ecrãs em superfícies maiores. Mas mostra que demora tempo a conseguir os melhores resultados e níveis de exigência que caracterizam a multinacional americana. E só quando conseguir aplicar a mesma tecnologia em ecrãs de 34, 42 e 50 polegadas (sim, o Prof. Dindó aposta no lançamento de uma televisão Apple em três formatos) é que esses televisores chegam às mãos dos consumidores.

E mais. O lançamento de uma nova versão da Apple TV em box, agora com suporte a 1080p, prova que 2012 não será certamente o ano do lançamento de uma televisão de marca própria, pois o seu sistema operativo e conteúdos ainda estão a ser aprimorados. Quando a tal televisão da maçã chegar, será um produto já aprimorado, pensado e testado – mais um iGadget para arrumar a concorrência.

A terceira geração do iPad diz-me ainda mais. Com a ajuda dos espíritos tecnológicos e do poder do Além, consigo ver na minha bola de cristal que o próximo iPhone terá ligação a redes 4G – é uma previsão tão certa como o pagamento dos impostos no dia a dia. Apesar das vibrações serem muito fortes, o novo smartphone da Apple está envolto num manto de fumo que o torna pouco perceptível. Mas Jurandir Dindó vê ainda um design novo e que tornará o iPhone parecido com o iPad em estilo. A qualidade no ecrã vai aumentar, sempre dentro das mesmas 3,5 polegadas, mas será um telemóvel mais fino e com mais capacidade de bateria – os 70% a mais de bateria em apenas meia dúzia de milimetros e 50 gramas do novo iPad ajudaram o Professor a ver melhor o novo iPhone.

E para o que vou-vos dizer agora não é preciso ser bruxo especulativo como é o Professor Dindó: o iPad será um sucesso de vendas e o seu maior rival será o iPad2. 2012 será mais um ano em que a Apple terá que competir consigo própria, quase como acontece numa possessão demoníaca. O salto qualitativo do novo iPad e a baixa de preços do seu antecessor farão com que o tablet da empresa de Cupertino ultrapasse as 40 milhões de unidades vendidas durante o próximo ano – garantia da minha bola de cristal. Ao mesmo tempo forçará as restantes fabricantes a repensar a sua estratégia tabletória que forçosamente passará pela aposta no mercado dos tablets low cost. Mercado no qual a Apple nunca entrará, nisso o futuro é certo e límpido nas minhas visões.

Por fim o novo iPad diz-me ainda que não haverá Siri para ele nos próximos tempos. Pode não ser novidade para vocês, mas eu torno isso numa verdade. Só em 2013 é que haverá outro aparelho com suporte a Siri e não será o iPad. O assistente remoto controlado por voz da Apple está desenhado para permitirtarefas num telemóvel e num dispositivo pequeno. A criação de uma Siri para o iPad teria que ser algo mais ao género de uma empregada doméstica chamada Consuelo. Maior e mais poderoso, as tarefas que se exigem a uma Siri num tablet não serão as mesmas que se pedem num telemóvel e por isso é que a assistente não chegou em 2012 ao iPad. Assim como o Retina Display, a inclusão da Siri no iPad vai demorar pois primeiro precisa de evoluir – esta é a superstição da Apple, deixar os produtos evoluírem com tempo e não apostar logo na sua comercialização massiva.

Quando toquei no novo iPad senti uma força especial que me levou ao transe em que tive estas visões. E quando perguntei…

Minha bola de cristal, minha bola de cristal,
haverá algum tablet como o iPad, melhor ou igual?

… a resposta foi um valente não. O resto das adivinhações vieram através de rituais, do uso de amuletos e pedras com brilhos mirabolantes. Se tiverem alguma dúvida ou precisarem de alguma consulta futurística sobre tecnologia, deixem as vossas palavras no caldeirão dos comentários.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s